Home Saúde Referência no atendimento de autismo, Cema terá sede própria

Referência no atendimento de autismo, Cema terá sede própria

350
0

A Prefeitura de Limeira iniciou a reforma das futuras instalações do Centro de Especialização Municipal do Autista (Cema). A nova sede ficará em um amplo imóvel no Jd. Vanessa l, onde funcionava a escola Miguel Queija Gomes, desativada desde 2016. O investimento no projeto é de R$ 310 mil e os recursos são da própria Administração Municipal. “Desde o início dessa gestão estamos trabalhando para atender a demanda de familiares e servidores por uma sede definitiva para o Cema. Após analisar e discutir as possibilidades, optamos por esse espaço, que oferecerá mais conforto e acessibilidade às pessoas atendidas”, afirmou o prefeito Mario Botion.
A reforma prevê o redimensionamento de todos os ambientes, construção de banheiros acessíveis para pessoa com deficiência, edificação de passarela coberta, troca de portas e janelas, instalação de novo piso e de revestimento nas paredes, substituição completa de todas as peças da cozinha e dos banheiros, reparos elétricos e no telhado e pintura. Também será implantado novo sistema de captação de água pluvial e nova rede de esgoto. Após a conclusão do serviço, o Cema ganhará um novo padrão visual de identificação, elaborado pela Secretaria de Comunicação Social. 
O Cema é referência da Secretaria de Saúde para o atendimento a pessoas com Transtorno do Espectro Autista (TEA), caracterizado por dificuldade de comunicação (verbal e não verbal), de socialização e de comportamento (com interesse restrito e movimentos repetitivos). O objetivo do Cema é a promoção da interação social, visando desenvolver ao máximo as habilidades e competências das pessoas com o TEA, favorecendo sua autonomia e independência. Atualmente, o serviço funciona em uma propriedade alugada, na Rua Alagoas, 848, onde são atendidos 63 pacientes, de 2 a 37 anos. Desse total, 50 também frequentam a escola no contraturno.
Após a mudança, a coordenadora do Cema, Benedita Aparecida Faustino Duarte, afirma que o serviço será aprimorado. “Hoje os atendimentos são feitos por estimuladoras pedagógicas (especialistas em autismo) e voltados ao treino das Atividades de Vida Diária (como uso do banheiro, escovação e treino da alimentação) e Atividades de Vida Prática (treino de rua, cuidados com objetos, preparo de receitas simples), estimulação global, orientação familiar e atividades pedagógicas funcionais. No novo espaço, teremos uma equipe multiprofissional, que contará com terapeuta ocupacional, fonoaudióloga, psicóloga, educador físico, professor de artes e assistente social”, salienta.
A partir da criação dessa equipe, Benedita esclarece que o Cema poderá desenvolver ações mais abrangentes, no que se diz respeito às terapias, oficinas de artesanato, trabalhos manuais, estimulação sensorial, dentre outros benefícios. “A nova sede possui um espaço bem maior, o que permitirá a execução dessas atividades. Também há quadra de esporte, playground e área verde”, diz. O terreno tem 3.947 metros quadrados, com área construída de 453 metros quadrados.
Visando, ainda, atuar dentro dos princípios da intersetorialidade, a Secretaria de Saúde vem se reunindo com técnicos da área de educação. Na semana passada, os secretários Vitor Santos (Saúde) e André Luis De Francesco (Educação), além de diretores e coordenadores de ambas as pastas, estiveram juntos para definir protocolos e estratégias para aprimorar o atendimento, na Rede de Educação, de crianças e jovens com quadros mais severos de TEA.
Quanto à mudança de sede, a coordenadora do Cema destaca que os familiares aprovaram a decisão e o espaço. Benedita garante que os pacientes atendidos atualmente com transporte continuarão utilizando o serviço, mantido pela própria Secretaria de Saúde, para deslocamento até o novo endereço. Hoje, há 20 usuários nessa condição. 
As obras na nova sede do Cema são executadas pela construtora Bramer. Conforme a Secretaria de Obras e Serviços Públicos, responsável pelo acompanhamento dos trabalhos, a previsão de entrega é de cinco meses.