Home Local BRK Ambiental intensifica lavagem preventiva em redes de esgotos em Limeira

BRK Ambiental intensifica lavagem preventiva em redes de esgotos em Limeira

227
0

No mês de setembro, 26 quilômetros de tubulações passaram por limpeza e número de entupimentos foi o menor do ano

A BRK Ambiental, concessionária responsável pelos serviços de água e esgoto de Limeira, intensificou no último mês o trabalho de lavagem preventiva das redes coletoras de esgoto do município. No total, a empresa realizou a limpeza de 26,5 quilômetros somente em setembro.

Com o trabalho foi possível reduzir o número de entupimentos de redes para 20 no mês, o menor registrado em todo o ano de 2019.

“A lavagem preventiva das redes coletoras de esgoto é importante para mantê-las em bom funcionamento, garantindo a eficiência do sistema de coleta e tratamento de esgoto. Além de evitar que ocorram entupimentos que podem gerar riscos à saúde e impactos ambientais”, explica Fernando Mangabeira, diretor da BRK Ambiental em Limeira.

De janeiro a setembro, 50,8 quilômetros de redes passaram por lavagem e foi registrada uma média de 30 entupimentos por mês. Isso significa que no mês de setembro, houve uma redução de 33% na quantidade de entupimentos ao comparar com a média registrada até agora.

O trabalho continua na cidade e a expectativa é que durante o mês de outubro mais 20 quilômetros passem pelo processo de limpeza preventiva. “A meta é que até o final do ano a gente consiga lavar até 110 quilômetros de redes de esgoto”, complementa o diretor.

Lixo na rede de esgoto

A rede de esgoto foi dimensionada para receber 99% de material líquido e somente 1% de sólido e um dos maiores desafios enfrentadospela BRK em Limeira é o descarte irregular de lixo nas redes coletoras e ligações residenciais.

Durante as atividades de limpeza são rotineiramente encontrados, dentro das tubulações, materiais estranhos tais como restos de construção civil (pedras, resto de cimento, madeira, plástico, papelão, sacos, etc) e descartes de banheiro (papel higiênico, fio dental, absorventes, cabelo, cotonetes, tecidos, sacos plásticos, etc.) que ocasionam a obstrução da rede. Outro grande problema é o descarte irregular de resíduos de cozinha, como restos de comida e, principalmente óleo e gordura. Estes materiais, enquanto estão quentes se apresentam em forma bem líquida o que, pode dar a falsa impressão de não ser problema; porém, assim que esfriam se solidificam de forma muito intensa e podem se fixar nos canos e causar a completa obstrução da tubulação sendo necessária, às vezes, a substituição da mesma.

Além disso, o sistema de esgotamento do município foi concebido considerando o sistema separador absoluto, ou seja, a rede de esgoto deve receber apenas esgoto doméstico, e não está dimensionado para receber águas provenientes das chuvas. As águas pluviais além de carregarem lixo, trazem para rede coletora uma quantidade excessiva de areia, gerando impacto direto na operação e tratamento dos esgotos.

Os materiais sólidos também são encontrados durante a limpeza do gradeamento das estações elevatórias (EEEs) e de estações tratamento de esgoto (ETEs) da cidade. “Nos últimos cinco anos, foram coletados em média 420 toneladas de lixo por ano. É uma média de 37 toneladas por mês recolhidos ao realizar a limpeza”, explica Fernando.