Fórum sobre adolescentes em situação de rua reúne mais de 150 profissionais

Fórum sobre adolescentes em situação de rua reúne mais de 150 profissionais

62
0
COMPARTILHAR

“Adolescentes em Situação de Rua e uso de Substâncias Psicoativas” foi o tema do IV Fórum do Centro de Referência Especializado da Assistência Social (Creas) de Limeira, promovido nesta sexta-feira (13) pelo (Centro de Promoção Social Municipal) Ceprosom. O evento ocorreu na Faculdade Anhanguera e contou com a presença de mais de 150 pessoas, incluindo servidores do município que atuam na área e profissionais de cidades como Piracicaba, Cordeirópolis, Rio Claro, Arthur Nogueira, Leme, Santa Gertrudes, entre outras.

Participaram da mesa de abertura, a presidente do Ceprosom, Maria Aucélia Damaceno, o coordenador do Creas, Rayoni Salgado, e a professora da Faculdade Anhanguera, Silvana Aparecida Chiusi.

Representando o prefeito Mario Botion, Aucélia falou sobre a importância da realização do Fórum e da necessidade de discussão de temáticas voltadas à proteção social. “Iniciativas dessa natureza ajudam a fortalecer os profissionais que atuam na rede de proteção de crianças e adolescentes e que se deparam com situações de violação de direitos”, frisou.

O coordenador do Creas, por sua vez, destacou que a escolha do tema do evento reflete questões que fazem parte do dia a dia dos atendimentos. “Nosso objetivo é promover a troca de conhecimentos e trazer elementos que possam aperfeiçoar o trabalho em rede”, afirmou Rayoni.

O Creas atende indivíduos e famílias que de alguma forma vivenciam ciclos de violência intra-familiar por meio de maus tratos, abuso sexual, agressões e negligência. Segundo Rayoni, 279 famílias são atualmente acompanhadas pelo serviço, mediante procura espontânea e encaminhamentos da rede de serviços, do poder judiciário e do “Disque 100” – serviço de recebimento de denúncias de violação de direitos humanos que funciona 24 horas por dia.

Após a abertura, o público assistiu a uma palestra com a psicóloga Adriele Fernanda Baldessim, a terapeuta ocupacional Kézia Pereira Lopes e a técnica de enfermagem Thayná Aparecida de Cairos, que atuam no Centro de Atenção Psicossocial Infanto Juvenil (Caps I) Espaço Criativo, da Prefeitura de Campinas. E ainda, com a assistente social Patrícia Ferreira da Silva, do Centro de Testagem e Aconselhamento e Ambulatório de Hepatites Virais, também de Campinas.

SEM COMENTÁRIOS