Inspirada em uma lenda chinesa, Cigana mantém a esperança em single de...

Inspirada em uma lenda chinesa, Cigana mantém a esperança em single de disco de estreia

133
0
COMPARTILHAR

Segundo uma lenda chinesa, no momento do nascimento, os deuses amarram uma corda vermelha invisível nos tornozelos daqueles que estão predestinados a serem “almas gêmeas”. Deste modo, aconteça o que acontecer, passe o tempo que passar, as duas pessoas que estiverem interligadas fatalmente irão se encontrar. Essa história inspira o novo single do álbum de estreia da banda Cigana, que apesar das dificuldades e desafios do presente mantém um olhar esperançoso sobre o amanhã. “Maria Fumaça” está disponível nas plataformas de música digital.

 

Veja “Maria Fumaça”: https://youtu.be/Z268PWRcoLg

 

Formada em 2014 em Limeira, em São Paulo, a banda tem em sua discografia os EPs “Sinestesia” (2014) e “A Torre” (2015). Recentemente eles lançaram o single “Natureza”, pela Laboratório Fantasma dentro do projeto “Original’s Studio”, da Levi’s. “Maria Fumaça” surgiu de um retiro que a banda fez em uma chácara em 2017 para compor, se conectar e trabalhar no novo disco.

 

“Acabou que pela primeira vez fizemos uma música desde seu início juntos, porque geralmente alguém começa uma música e traz pra banda finalizar. Esse single foi diferente”, conta a vocalista Victoria Groppo.

 

A faixa foi um desafio para a Cigana, pois os integrantes saíram das suas zonas de conforto no momento da composição. Victoria abandonou os vocais, criou e gravou a bateria. O baterista Felipe Santos gravou os sintetizadores e o baixista Caique Redondano tomou frente na voz principal. A banda ainda conta com Matheus Pinheiro e Pedro Baptistella nas guitarras. A produção musical é de Cosmo Curiz, que trabalha na produção desse álbum com a banda desde 2016.

 

“Gostamos de fazer essa troca de posição dos integrantes em relação aos instrumentos, pois assim conseguimos extrair sonoridades diferentes dos instrumentos e dos integrantes também”, explica Victoria.

 

Com letra escrita por Redondano, a faixa remete à sonoridade que o disco trará e às características pessoais de cada integrante. A música trabalha também as distâncias entre as pessoas, porém com um olhar esperançoso.

 

“Essa letra registra o momento em que esse sentimento se fez presente, e o quão legítimo e devastador é constatar que essa distância é real. Porém, conclui-se que esse essa sensação é uma força motriz, que empurra pra fora da zona de conforto em vários aspectos. O que tiver que ser, será, mas nos dá a sensação que esse sentimento estará sempre lá. Basta uma buzina de trem, ou uma lua cheia, que ele aparece”, comenta Caique.

 

Veja “Maria Fumaça”: https://youtu.be/Z268PWRcoLg

 

FICHA TÉCNICA

– Produzido e mixado por Cosmo Curiz

– Masterizado por Chris Hanzsek

– Gravado em Limeira, 2018

na Old Bird, Garagem DSTN e no home studio da banda

– Captação por Hugo Silva e Cosmo Curiz

– Capa do single: Mystic Jupiter

 

MARIA FUMAÇA

Autor da Letra: Caique Redondano

Autor da Música: Cigana

Nome do Intérprete: Cigana

 

Não tem calor ou faísca

Desde que o trem partiu

Foi quando quebrou todo o meu

 

Quando a corda esticou

Foi depois das serra

E que balançou

Até o centro da terra

 

Karma de inverno

O meu cruzou

A primavera

Tem mil milhas e léguas

 

O fio vai e vem

E embaraça

Mas além

Não partir

 

Hoje na fascinação

De adentrar, quase não fui

Mas vim expor, sem pretensão de ser

O que tiver que ser.

 

E hoje quando vai

Eu fico nessa

Na tua

 

Se faz presente aqui, diante do breu

Mas sei que um dia há de clarear

Me encontro com você no barulho do trem

Em direção a estação lunar

SEM COMENTÁRIOS