Home Nacional Bolsonaro diz que, se fosse Temer, vetaria reajuste para magistrados

Bolsonaro diz que, se fosse Temer, vetaria reajuste para magistrados

379
0
O presidente eleito, Jair Bolsonaro, conversa com jornalistas após visita ao Comando da Aeronáutica,em Brasília

Por Pedro Rafael Vilela РRepórter da Agência Brasil

O presidente eleito Jair Bolsonaro afirmou que, se fosse o presidente Michel Temer, vetaria o reajuste de 16% sobre o sal√°rio dos magistrados e da Procuradoria-Geral da Rep√ļblica com base na Lei de Responsabilidade Fiscal.

A afirmação foi feita hoje (10) em entrevista à Rede Record de Televisão e a gravação foi publicada nas redes sociais de Bolsonaro.

Questionado pelo repórter, o futuro presidente disse que, se a decisão estivesse em suas mãos, vetaria o aumento.

“Agora, est√° nas m√£os do presidente Temer, n√£o sou o presidente Temer, mas se fosse, acho que voc√™ sabe qual seria minha decis√£o. N√£o tem outro caminho, no meu entender, at√© pela quest√£o de dar exemplo. Eu falei antes da vota√ß√£o que √© inoportuno, o momento n√£o √© esse para discutir esse assunto. O Brasil est√° numa situa√ß√£o complicad√≠ssima, a gente n√£o suporta mais isso a√≠, mas a decis√£o n√£o cabe a mim. Est√° nas m√£os do Temer. Eu, por enquanto, sou apenas o presidente eleito”, disse.

Jair Bolsonaro voltou a dizer que o STF “√© a classe que mais ganha no Brasil, a melhor aquinhoada”, e que o reajuste do sal√°rio dificulta o discurso a favor da reforma da Previd√™ncia. “E complica pra gente quando voc√™ fala em reforma da Previd√™ncia, onde voc√™ vai tirar alguma coisa dos mais pobres, voc√™ aceitar um reajuste como esse”, afirmou.

O presidente eleito descartou que o Congresso vote esse ano uma emenda constitucional para alterar a Previd√™ncia, o que demandaria a suspens√£o da interven√ß√£o federal na seguran√ßa p√ļblica do Rio de Janeiro.

Bolsonaro negou que vá usar a reforma da Previdência apresentada por Temer e ressaltou que recebeu propostas de mudanças na legislação infraconstitucional que já tramitam no Congresso, mas que só deve apresentar uma proposta quando assumir o mandato.

“Se n√≥s bancarmos uma proposta dessa e formos derrotados [este ano], voc√™ abre oportunidade para a velha pol√≠tica vir pra cima de n√≥s. (…) Eu tenho que come√ßar o ano que vem com a nossa proposta e convencer os deputados e senadores a votar a nossa proposta. E tem que ser de forma paulatina, n√£o pode querer resolver de uma hora para outra essas quest√Ķes”, disse.

Em outro momento da entrevista, o presidente eleito disse que mudanças nas regras da aposentadoria devem respeitar os direitos adquiridos dos trabalhadores.

“N√≥s temos compromisso, temos contrato, as pessoas come√ßaram a trabalhar l√° atr√°s, ou j√° trabalharam, tinham um contrato, e voc√™ tem que cumpri-los, do contr√°rio voc√™ perde a sua credibilidade”, afirmou.

Sobre a quest√£o fiscal, afirmou que orientou sua equipe econ√īmica para aumentar a arrecada√ß√£o sem elevar impostos. Disse, ainda, que vai buscar maior abertura comercial para o pa√≠s como forma de estimular a economia.

“A situa√ß√£o √© cr√≠tica. Eu apelo a todos. N√≥s n√£o queremos que o Brasil se transforme numa Gr√©cia [que enfrentou recentemente grave crise econ√īmica]. E a tend√™ncia, se nada for feito, e n√£o tivermos a colabora√ß√£o de todos, sem exce√ß√£o, n√≥s chegaremos a esse ponto”, afirmou.

Balanço da transição

Na entrevista, o presidente eleito fez um balan√ßo dos primeiros dias de transi√ß√£o de governo e as visitas institucionais que realizou na √ļltima semana, como o encontro com o presidente Temer, comandantes militares, o presidente do Supremo Tribunal Federal, Dias Toffoli e uma solenidade no Congresso Nacional, al√©m da visita na qual recebeu embaixadores de v√°rios pa√≠ses.

Ao comentar a indicação da deputada federal Tereza Cristina (DEM-MS) para o Ministério da Agricultura, ele observou o fato de atender uma demanda da bancada do setor no Congresso Nacional.

“Pela primeira vez na hist√≥ria da C√Ęmara, tivemos uma ministra indicada pelos parlamentares do agroneg√≥cio e da agricultura familiar. Geralmente, aquele minist√©rio ficava com um partido e atendia apenas os seus filiados”, finalizou.